• ...   
 
cód.: 2024391092

DOIS

Marca:
--
Frete e prazo:
Pague com PIX
 PARCELAMENTO
1x R$62,39* 7x R$10,97*
2x R$32,39* 8x R$9,89*
3x R$22,39* 9x R$9,06*
4x R$17,39* 10x R$8,39*
5x R$14,39* 11x R$7,85*
6x R$12,39* 12x R$7,39*
*com juros de 3,99%
 PARCELAMENTO
1x R$60,00 com juros de 0,00% 7x R$8,57 com juros de 0,00%
2x R$30,00 com juros de 0,00% 8x R$7,50 com juros de 0,00%
3x R$20,00 com juros de 0,00% 9x R$6,67 com juros de 0,00%
4x R$15,00 com juros de 0,00% 10x R$6,00 com juros de 0,00%
5x R$12,00 com juros de 0,00% 11x R$5,45 com juros de 0,00%
6x R$10,00 com juros de 0,00% 12x R$5,00 com juros de 0,00%
*com juros de 0,00% no valor total do pedido
 Informações complementares
Ficha técnica:
Título: Dois
Autora: Bruno Velosa
Gênero: Poesia
Capa: Marcelo Nunes
Ano de publicação: 2024
Edição: 1ª
Dimensões: 14 x 21 cm
Acabamento: brochura
Número de páginas: 120
ISBN: 978-65-982692-1-0

 

Sobre o autor:

Bruno Velosa é poeta. É autor do livro Aporia (Kotter Editorial, 2023). Nasceu em São Paulo (SP) em 09 de julho de 1977. Frequentou os Cursos de Ciências Sociais pela PUC-SP e Antropologia pela Universidade Nova de Lisboa. Desde o ano 2000 está radicado em Portugal e, a partir de 2001, em definitivo, na cidade de Lisboa.

 

Sobre a obra:

"Eu conheci o trabalho de Bruno Velosa em seu excelente livro de estreia, Aporia (Kotter, 2023), composto por três longuíssimos movimentos cheios de fúria e acidez. Se naquela primeira obra a tônica foi – conforme indicada pelo autor – a relativização dos nossos ideais apontada por Max Weber, neste novo trabalho, Dois, ela é sugerida pelo primeiro Wittgenstein e a impossibilidade da linguagem. Aqui, os movimentos em fluxo são substituídos por poemas mais curtos e pelo mal-estar do homem consciente diante de uma sociedade ao mesmo tempo tecnologicamente desenvolvida e eticamente degradada. Não há espaço para beleza ou leveza na poesia de Velosa, que nos aponta “a vida como síndrome de abstinência” e logo apresenta um “estudo para um epitáfio” em que a vida, nesses termos, é negada. A cidade também está sempre presente, como uma entidade degenerada de engrenagens brutais, que antes expele do que abriga. Ao poeta resta observar e escrever, e não furtar-se a dizer o que sente e o que vê, na esperança de que a palavra possa, afinal, trazer a mudança."

Marcelo Nunes

 Comentários

  Seja o primeiro a comentar!

 Produtos relacionados

 Receba Novidades